But I really love you...
1 2 3 4 5 »
THEME promisse @

obesenigger:

tragic and messy


posted on 2 days ago with 90,570 notes · via · source · reblog

posted on 2 days ago with 1,288 notes · via · source · reblog

posted on 2 days ago with 616 notes · via · source · reblog
“Estar com você é como andar em uma montanha russa. Tem seus altos e baixos, é excitante e ao mesmo tempo amedrontador. Jogue as mãos para o alto, é pura emoção!”
— O parque da vida, Gabriel Mariano (via tua-ceruja)

posted on 2 days ago with 386 notes · via · source · reblog

posted on 2 days ago with 42,235 notes · via · source · reblog
“É incrível como a vida muda de um minuto para o outro. Parece que está tudo dando errado. Não importa se eu estou bem ou não, se eu vou ou fico, se eu choro ou sorrio, tudo isso, em frações de segundos pode se tornar o oposto e tudo por causa de pequenos acontecimentos da vida, por causa de pessoas que chegam feito Tsunami e acabam com você. Levam sua alegria, levam sua integridade, levam até mesmo o mais pequeno dos bons sentimentos guardados. É como um furacão, bagunça a vida e a destrói em pequenos pedaços. E convenhamos, é uma luta imensa para reconstruí-la e conseguir tudo o que se tinha, antes da Tsunami, antes do furacão, antes das pessoas.”
— Relatos de um Sobrevivente, Gabriel Mariano  (via tua-ceruja)

posted on 2 days ago with 322 notes · via · source · reblog

posted on 2 days ago with 9,452 notes · via · source · reblog

bennyslegs:

please love celebrities without invading their privacy please love them as people and respect them please love them but don’t feel entitled to them or their life they are not yours they are theirs


posted on 2 days ago with 14,328 notes · via · source · reblog
  • someone: have you seen this movie?
  • me: no but i've seen gifs

posted on 2 days ago with 425,374 notes · via · source · reblog

posted on 2 days ago with 88 notes · via · source · reblog

cynicalgemologist:

districtdemigods:

that frustrating time when your friends finally start reading your favorite book or watching your favorite tv show, but all you wanna do is tell them all these spoilers and begin fangirling / fanboying with them and you just sorta have to restrain yourself and

image

ANNA


posted on 2 days ago with 11,254 notes · via · source · reblog
  • website: You have to be over the age of 18 to enter this site.
  • me: haha lol yeah sure i am *clicks*
  • me:
  • me: wait i'm 20 years old

posted on 2 days ago with 132,723 notes · via · source · reblog

dick-rider-dave-strider:

dick-rider-dave-strider:

grandmoms are precious and must be protected at all costs

i told her i was posting this on tumblr and she said “let me know how many hits i get!!!” so just watch this and make an old woman happy


posted on 2 days ago with 72,621 notes · via · source · reblog

troyesivan:

if you lose your phone in your blankets, its gone forever. accept it


posted on 2 days ago with 21,229 notes · via · source · reblog
Eu queria crescer. Queria ser adulta, ter os meus compromissos. Sair com minhas amigas, andar sozinha na rua. Sair a noite, ir ao shopping, ao cinema com amigos. Achava legal essa coisa de poder dormir na casa de amigas, de festa do pijama. A princípio, achava beijo uma coisa nojenta, mas depois, eu queria crescer logo pra namorar. Ganhar aqueles ursos de pelúcia enormes de presente de aniversário de namoro. Usar um anel prata no dedo anelar. Achava o máximo ver aquele casal de namorados se divertindo, chupando sorvete e conversando na pracinha. Era divertido ver marido e mulher se divertindo na rua com os bebezinhos, crianças se divertindo com cachorrinhos etc. Eu queria muito crescer. Ter meus dezoito anos, sair pra baladas e chegar em casa tarde. Eu queria ser feliz. O tempo foi passando, e meu desejo foi tornando realidade. Lembro-me quando me levantei de manhã da cama e corri pro banheiro, estava apertada demais. Sentei no vaso e me desesperei quando vi um líquido vermelho sair de mim. Gritei minha mãe o mais alto que pude e ela veio depressa, assustada com meu grito. Eu mostrei a ela e contei o que tinha acontecido. Ela sorriu pra mim toda boba e disse: minha menina está ficando mocinha. Eu franzi o cenho, que diabos ela queria dizer com aquilo? Ela riu da minha cara e me explicou o que estava acontecendo. Ela pediu que eu esperasse no banheiro e logo depois veio com uma coisa super esquisita, meio de algodão sei lá e colou na minha calcinha. Estranhei, aquele negócio me incomodava demais. Toda hora ouvia minha mãe murmurar: anda direito, não precisa andar toda dura ou de pernas abertas. Isso é natural. Eu rolei os olhos, mas que merda! Eu não queria aquilo, me incomodava, dava coceiras e era nojento! Nojento demais! Me dava náuseas quando eu ia me secar ou até mesmo tomar banho. Era horrível. Perguntei a minha mãe se era mesmo preciso que aquilo acontecesse e quantos dias duraria. Ela me respondeu com a seguinte frase: se acostume meu amor, você está crescendo. Crescendo. Essa palavra ficou martelando na minha cabeça por horas. Então pra eu crescer eu precisava mesmo passar por isso? Maldita eu fui quando desejei crescer. O tempo mais uma vez passou, e como se já não bastasse aquilo lá, fui me deparando com um mundo que eu não conhecia. O famoso mundo real. O mundo que nós crianças não vemos, não conhecemos. Fiz novas amigas, as amigas que eu tanto queria. Sair de noite, dormir na casa delas ou elas dormirem na minha. Ir ao cinema, ao shopping. Só não chegava em casa tarde porque eu ainda não tinha idade pra isso. Mas aos poucos meu desejo estava se realizando. Veio minha primeira paixão. O meu primeiro amor. Eu estava abobalhada, parecendo uma idiota que sorria até pra uma pedra. O amor é mesmo lindo. Estava tudo indo muito bem até que veio a minha primeira decepção. O menino me deixou sem mais nem menos, sem me dar nenhuma explicação convincente. Corri pra minha mãe mais uma vez e ela me disse: a vida é assim mesmo, nós erramos e aprendemos. Você ainda vai se decepcionar muito com algumas pessoas, você vai se enganar, vai dar a volta por cima e mais uma vez vai se decepcionar. A vida é isso. É um ciclo que não acaba nunca. Mais uma vez eu pensei: como eu pude desejar crescer? Era tarde demais, não tinha como voltar. Eu simplesmente tinha que enfrentar e seguir. E eu segui. Pouco tempo depois me decepcionei demais com minhas “amigas” e com isso eu fui aprendendo. Minha mãe sempre me avisou, sempre me alertava das coisas que estavam prestes a acontecer, mas eu inocente, achava que era bobeira dela. Não precisava exagerar tanto. Mas, o que ela sempre me disse e eu nunca acreditei, a vida me fez questão de mostrar. Era uma decepção atrás da outra, preocupações com provas, trabalhos, escolas, etc. Isso tudo estava me enlouquecendo e, em meio a todas essas coisas, eu me lembrava do que minha mãe sempre me dizia: aproveite muito a sua infância e não queira crescer tão rápido, a vida não é como você imagina. E realmente não é. Eu imaginava um mundo totalmente diferente, onde pessoas não sofriam, não eram machucadas. Onde amizades duravam para sempre. Onde casais de namorados se divertiam e não brigavam nunca. Onde o “eu te amo” era verdadeiro e dito do coração e não da boca pra fora. Onde o “pra sempre” realmente existia e não durava apenas alguns dias ou semanas. Onde não havia tantas coisas que eu pudesse me preocupar. Mas, sem outra alternativa, eu segui em frente. Sempre errando e aprendendo. Sofrendo, chorando, com dores, em momentos e situações que pareciam que o tempo tinha parado pra mim. Eu caminhava, caminhava, mas não saia do lugar. Tive momentos em que eu o que eu mais queria era morrer pra acabar com toda aquela dor e sofrimento. Passei por situações que nunca imaginei passar. Já me senti como se eu estivesse em um cômodo pequeno com uma porta à minha frente e com um enorme leão morto de fome atrás de mim. A porta era um buraco que não tinha fim, ou seja, se eu caminhasse para frente, cairia no buraco e morreria. E, se eu andasse para trás, o leão me devoraria. Simplesmente não tinha saída. Mas, também venci coisas que jamais imaginei que venceria. Eu superei todas essas coisas, eu passei por tudo isso sempre com um sorriso no rosto embora dentro de mim estivesse um mar de dor e sofrimento. E sabe, feliz eu era quando era criança e não tinha nenhuma preocupação ou decepção. Se eu soubesse que a vida era mesmo tão difícil, eu não desejaria crescer tão rápido.”
Thaís Oliveira.  (via tua-ceruja)

posted on 2 days ago with 4,216 notes · via · source · reblog